ANTES DA GUERRA: Embaixadas dos EUA emitem alerta para cidadãos americanos ao redor do mundo

COMPARTILHE AGORA!

Aviso publicado nesta terça (7) em sites de várias missões diplomáticas, inclusive do Brasil, pede que americanos fiquem alertas e ‘mantenham a discrição’. Estados Unidos vivem crise com o Irã desde que ordenaram ataque que matou o general Qassem Soleimani.

Embaixadas dos Estados Unidos ao redor do mundo emitiram, nesta terça (7), um alerta a cidadãos americanos fora do país para “manterem discrição” e “reverem planos de segurança pessoal”. O aviso foi publicado em sites de várias embaixadas, inclusive a do Brasil, por causa da morte do general iraniano Qassem Soleimani.

O comandante militar foi morto em um ataque aéreo americano em Bagdá, no Iraque, na quinta-feira (2). Líderes iranianos já prometeram vingar a morte do comandante, considerado o segundo homem mais importante do país depois de seu líder supremo, o aiatolá Ali Khamenei.

“Há uma crescente tensão no Oriente Médio que pode resultar em riscos à segurança dos cidadãos dos EUA no exterior”, diz o comunicado americano desta terça (7).
A embaixada no Brasil recomenda que os cidadãos fiquem alertas “sobre seu entorno” e “em locais frequentados por turistas”, e que tenham “documentos de viagem atualizados e facilmente acessíveis”. A representação americana afirma, ainda, que “continuará analisando a situação de segurança e fornecerá informações adicionais conforme necessário”.

O comunicado também aparece nos sites das embaixadas dos EUA em Berlim, na Alemanha; em Paris, na França; em Londres, no Reino Unido; em Moscou, na Rússia; em Madri, na Espanha; e de outras, como a de Jerusalém, em que um alerta de segurança foi postado na segunda (6).

Ao comentar a morte do general iraniano, na última sexta (3), o Itamaraty disse, em nota, que apoia a “luta contra o flagelo do terrorismo”. A pasta não condenou a morte de Soleimani, mas condenou a invasão à embaixada dos Estados Unidos em Bagdá, no Iraque, no dia 31 de dezembro. Antes disso, o presidente, Jair Bolsonaro, chegou a afirmar que o governo não se manifestaria sobre o assunto, por não ter o “poderio bélico” dos EUA.

G1

COMPARTILHE AGORA!