Ativismo político do Judiciário precisa ser contido

Compartilhar

O deputado federal Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara dos Deputados, criticou o Supremo Tribunal Federal (STF), afirmando que a Corte age para dificultar a aprovação de projetos estratégicos do presidente Jair Bolsonaro e sugeriu que o aumento do valor das dívidas judiciais estimada para o próximo ano, de R$ 89,1 bilhões, é fruto do ativismo político do Tribunal, que tenta tirar Bolsonaro do governo. As declarações foram dadas durante entrevista para a Veja.

“O ativismo político do judiciário precisa ser contido. Não é à toa que vem crescendo esta conta para o governo pagar, que é de 30 anos, de 40 anos.

Vai ver os processos dos precatórios? São muitos anos. Porque é que tá desaguando tudo agora? Talvez para inviabilizar o governo de executar as suas ações previstas, inclusive na área social, e poder mudar o governo. Porque Bolsonaro ataca o Supremo Tribunal Federal, então vamos tirar ele daí”, afirmou Barros.

“Eles (os ministros do STF) têm poder de decisão que implica em ações que tirem a possibilidade do governo. Está muito claro esse conflito.

É lamentável. O Poder Judiciário deveria ficar no seu papel de Poder harmônico, independente e à serviço da nação e não com todo o ativismo político que tomou, tanto no STF quanto no TSE”, disse.

gazetadopovo

Compartilhar

AO VIVO: Comissões ouvem Paulo Guedes sobre empresa em paraíso fiscal

Pacheco estuda realizar sabatina de Mendonça no plenário

Ajude a manter o site no ar. Faça uma doação de qualquer valor.


Compartilhe nos grupos do Facebook e nas suas redes.