“Ditador pra mim, justiça pra você”: A esquerda mostra, de forma vergonhosa, a sua deslavada hipocrisia

COMPARTILHE A NOTÍCIA EM SUAS REDES SOCIAIS

Passaram quase quatro décadas esbravejando contra as prisões que eles classificam como “arbitrárias” de terroristas que plantavam bombas, matavam pessoas, roubavam bancos, assaltavam quartéis e sequestravam aviões, chamando os militares de “tiranos” e “ditadores”.

Agora esses mesmos seres de caráter disforme, com a desfaçatez e o cinismo que lhes são peculiares, aplaudem uma prisão verdadeiramente arbitrária e que sobejamente apresenta todos os elementos de uma tirania e de uma ditadura, realizada em função do “nefasto” crime de opinião, apenas porque a vítima tem uma ideologia diferente da deles.

Ora, mas que contraditório! Logo eles que sempre pregaram a “liberdade de expressão”, agora festejam a mordaça? Ah… mas não há agora comissões da verdade, porque, para eles, verdade só existe a deles.

Souberam reclamar quando seus pares foram presos ou indiciados por crimes como roubo, peculato, organização criminosa, corrupção e etc… Fizeram manifestações, juntaram-se frente à Sede da Polícia Federal, criticaram abertamente todos os juízes que sentenciaram seus líderes. Mas essas coisas para a esquerda não são crimes, e sim demonstrações de virtudes que só a esquerda pode reconhecer.

Criminosa é a liberdade de expressão de um adversário político.

Se Daniel Silveira tivesse explodido um banco, roubado armas, matado soldados, sequestrado um avião, ou tivesse feito justiçamentos em nome de uma ideologia, hoje estaria sendo aplaudido pelo que há de pior, vil e mais canalha na sociedade brasileira.

Daniel, força! Melhor estar preso por estar certo, do que estar solto por ser corrupto!

Marcelo Rates Quaranta

JCO

Ajude-me a manter o site no ar. Faça uma doação de qualquer valor.

COMPARTILHE A NOTÍCIA EM SUAS REDES SOCIAIS

Com quase 40 milhões de seguidores, números massacrantes escancaram o temor a Bolsonaro nas redes sociais

“O Judiciário, de forma arbitrária, ataca o legislativo brasileiro”, ressalta advogado Marcos Pollon