Presidente Jair Bolsonaro participa da cerimonia comemorativa dos 160 anos da Caixa Econômica Federal com o presidente da CEF, Pedro Guimarães e os ministros Braga Netto, Paulo Guedes, Onix Lorenzoni e a primira-dama Michelle Bolsonaro. Sérgio Lima/Poder360 12.01.2021

“Essa de 50% é uma boa ou não?”, diz Bolsonaro a apoiador sobre CoronaVac

COMPARTILHE A NOTÍCIA EM SUAS REDES SOCIAIS

“É a vacina que passar pela Anvisa”.

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta 4ª feira (13.jan.2021) que está há 4 meses “apanhando” por causa da vacina, mas que agora a população “está vendo a verdade”. A declaração, feita a apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada, vem 1 dia depois de o governo de São Paulo anunciar que a eficácia global da CoronaVac, vacina contra a covid-19 desenvolvida em parceria da farmacêutica chinesa Sinovac com o Instituto Butantan, é de 50,38%.

“Essa de 50% é uma boa ou não?”, perguntou Bolsonaro a um dos apoiadores.

Na última 5ª feira (7.jan), o governo paulista afirmou que a CoronaVac tem eficácia de 78% para prevenir casos leves e prevenção total a mortes, casos graves e moderados da covid-19. A ausência da eficácia global no anúncio foi alvo de críticas de pesquisadores e cientistas.

“O que eu apanhei por causa disso, agora estão vendo a verdade. Estou há uns 4 meses apanhando por causa da vacina. Entre eu e a vacina tem a Anvisa. Eu não sou irresponsável. Não estou afim de agradar quem quer que seja”, disse o presidente.

Bolsonaro afirmou aos apoiadores que o governo comprará qualquer vacina, sem restrições, desde que aprovada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). “É a vacina que passar pela Anvisa, seja qual for. Passou por lá… Já assinei um crédito de R$ 20 bilhões para comprar isso”, disse.

Uma apoiadora disse que vai tomar o imunizante apenas depois do chefe do Executivo. “Eu já sou infectado”, disse o presidente.

USO EMERGENCIAL
O Butantan pediu à Anvisa o uso emergencial da CoronaVac na 6ª feira (8.jan). Os dados completos dos estudos com a vacina no Brasil foram enviados e estão sendo analisados pela agência.

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) anunciou na 3ª feira (12.jan) que se reunirá no próximo domingo (17.jan) para decidir sobre a autorização do uso emergencial das vacinas CoronaVac, desenvolvida pelo Instituto Butantan, e da AstraZeneca/Oxford, fabricada no Brasil pela Fiocruz.

Segundo o comunicado, a data é o penúltimo dia antes do encerramento do prazo estabelecido internamente para a avaliação. No caso da aprovação, as primeiras doses dos imunizantes poderão ser aplicadas a partir da próxima semana.

Poder 360

COMPARTILHE A NOTÍCIA EM SUAS REDES SOCIAIS

“Para acabar com a Lava Jato vale tudo”, diz Janot sobre apoio do PT a Pacheco

Bolsonaro sobre vacinas: “A gente não sabe o efeito colateral”