Povo em agonia: Senado pode votar hoje PEC que libera o auxílio emergencial

Compartilhe!

Apesar de constar na pauta, a votação enfrenta pressão política e ainda depende de entendimentos entre os líderes partidários.

O plenário do Senado deve analisar nesta quinta-feira (25) a chamada PEC Emergencial, que abre espaço para a retomada do pagamento de auxílio emergencial a brasileiros afetados pela crise econômica causada pela pandemia de covid-19. O relator, senador Márcio Bittar (MDB-AC), apresentou o parecer na segunda-feira (22), na forma de substitutivo.

Continua após a publicidade

Leia também: Veja o que já se sabe sobre o novo auxílio emergencial

Apesar de constar na pauta, a votação ainda depende de entendimentos entre os líderes e pode ser adiada para terça-feira (2). Nesta quarta-feira (24), parlamentares do PT e representantes das centrais sindicais foram recebidos pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), a quem pediram o adiamento da votação do texto.

O grupo defende que os debates sejam voltados a temas como a retomada do auxílio emergencial e a ampliação do acesso às vacinas pela população, mas sem vinculá-los à PEC, cujo relatório sugere, entre outros pontos, acabar com o piso para o investimento orçamentário em saúde e educação.

Pacheco admitiu nesta quarta-feira (24) a possibilidade de fatiar a proposta e aprovar apenas a medida para destravar o auxílio emergencial, deixando os dispositivos de contenção de gastos para depois. “Não avaliamos isso ainda, mas eventualmente pode ser uma possibilidade”, afirmou Pacheco. A equipe econômica tenta barrar a pressão pelo fatiamento.

Relatório

Marcio Bittar propôs um protocolo de responsabilidade fiscal e uma “cláusula de calamidade” para que o governo federal possa manter o pagamento do auxílio emergencial em 2021. A definição dos valores da parcela, da vigência e das fontes para bancar o repasse seriam definidas por projeto de lei ou medida provisória a ser encaminhada pelo Executivo.

Conforme o substitutivo, as despesas decorrentes da concessão do auxílio não serão consideradas para fins de apuração da meta fiscal e deverão ser atendidas por meio de crédito extraordinário.

Por se tratar de uma proposta de emenda à Constituição, a matéria precisará ser aprovada em dois turnos, por no mínimo 49 senadores. Entre os dois turnos, é necessário um intervalo de cinco dias úteis — mas esse intervalo pode ser revisto se houver entendimento entre os líderes.

O que se sabe até agora sobre o novo auxílio

– O chamado marco fiscal, com a PEC emergencial, o Pacto Federativo e a cláusula de calamidade, vai abrir espaço para o novo auxílio emergencial

– Mecanismo permite que o governo faça um novo endividamento, fora do teto de gastos, para pagar o auxílio emergencial

– O novo auxílio emergencial deve beneficiar 40 milhões de brasileiros

– Custo previsto é de cerca de 30 bilhões

– O valor do auxílio deve ficar entre R$ 250 e R$ 300

– O número de parcelas ainda não está fechado, podem ser 3 ou 4

pelomundodf

Compartilhe!

Carlos Jordy faz ‘coletânea’ de crimes contra Bolsonaro, assista

Decadência: Fábio Porchat negocia para assumir vaga de Faustão

Continua após a publicidade

Comentários


Ajude a manter o site no ar. Faça uma doação de qualquer valor.


Compartilhe nos grupos do Facebook e nas suas redes.