A ridícula Revista Veja publica: “Bolsonaro supera Itamar com vulgaridade inominável no Carnaval”

Compartilhe nas suas redes sociais!

ABRE ASPAS PARA ESSE NOJO DE REVISTA:

“Na Terça-Feira de Carnaval, o presidente Jair Bolsonaro conseguiu superar a marca de Itamar Franco ao protagonizar um caso de vulgaridade inominável”

No Carnaval de 1994, o Brasil chamou a atenção do mundo quando seu então presidente, Itamar Franco, trocou carícias e declarações apaixonadas com uma modelo sem calcinha que acabara de conhecer em um camarote da Sapucaí. A fotografia foi parar na capa de VEJA, saiu nos principais jornais do globo, gerou uma torrente sem fim de piadas — e os mais exaltados chegaram ao exagero de sugerir a renúncia do presidente, impeachment por “falta de decoro” e a antecipação do pleito de outubro daquele ano, que acabou elegendo Fernando Henrique Cardoso.

Passado o impacto inicial, o caso virou um verbete no folclore da política nacional ao qual se recorre para descrever uma autoridade que se comporta de modo abobalhado em público. Na Terça-Feira de Carnaval, o presidente Jair Bolsonaro conseguiu superar a marca de Itamar ao protagonizar um caso de vulgaridade inominável. Com o objetivo de denunciar os excessos dos blocos carnavalescos, Bolsonaro divulgou em sua conta no Twitter um vídeo com imagens obscenas de dois homens durante o Carnaval (leia reportagem aqui), causando espanto mais ou menos generalizado, deflagrando as piadas de sempre e expondo o país ao ridículo internacional.

É bom não confundir os elementos. Uma coisa é um presidente ficar incomodado com comportamentos inaceitáveis em público, quer durante o Carnaval, quer fora dele. E o comportamento exibido no vídeo é execrável. Outra coisa, inteiramente diferente, é um presidente achar apropriado e adequado usar uma conta oficial de primeiro mandatário da República Federativa do Brasil para divulgar cenas de cunho pornográfico a pretexto de condená-las. Trata-se de uma dolorosa evidência de que Bolsonaro não faz ideia do tamanho, da dignidade e do decoro do cargo que ocupa.

É um tremendo desalento confrontar a iniciativa patética do presidente com a realidade socioeconômica do país. O desemprego continua na estratosfera. A economia engatinha. O sistema de saúde precariza-se cada vez mais. As escolas públicas oferecem um ensino de qualidade claudicante. A reforma da Previdência é um imperativo incontornável para o qual toda a atenção é pouca.

Tudo isso compõe um cardápio de urgências do qual o Brasil não tem o direito de abrir mão. No entanto, o presidente acha que, entre as prioridades nacionais, está um vídeo repulsivo feito durante a folia de um bloco carnavalesco em São Paulo. Com esse comportamento, o presidente Bolsonaro fica menos presidente e mais Bolsonaro.

A morte do decoro


FECHA ASPAS PARA ESSES JORNALISTAS DE PAPEL PARA LIMPAR MERDA DE CACHORRO


NOSSO GRUPO NO WHATSAPP! Entre aqui!

Participe dos debates nos grupos!

Compartilhe nas suas redes sociais!