“Viajante do tempo” é preso por perseguir juíza

COMPARTILHE A NOTÍCIA EM SUAS REDES SOCIAIS

Advogado foi preso por ameaçar, perseguir e tentar extorquir a magistrada Ludmila Lins Grilo.

Foi realizada hoje (20) pela Polícia Civil a Operação DeLorean Stalker, que culminou com a prisão do advogado Adriano Leme Ike, em Paranaguá (PR). Segundo as investigações, Ike ameaçou, perseguiu e tentou extorquir durante meses a juíza Ludmila Lins Grilo, que atua em Unaí (MG).

A operação leva esse nome por um motivo inusitado. DeLorean é a marca do carro do filme De Volta para o Futuro, com o qual os personagens principais fazem viagens no tempo. O criminoso enviava mensagens à juíza afirmando conhecê-la de vidas passadas. “Ele me chamava de outros nomes e fantasiava, ou fingia fantasiar, inúmeras situações que teria passado comigo, em narrativas em que eu sempre aparecia como figura perversa e maligna”, diz Ludmila. O problema com as narrativas de Adriano Ike é que a juíza não o conhecia e jamais teve qualquer contato anterior com ele.

Em meio às histórias sem sentido, o advogado passou a tentar extorquir Ludmila, primeiramente exigindo R$ 500 mil, depois R$ 1 milhão. Segundo ele, o dinheiro seria uma reparação pelos danos morais em razão da “perversidade” da juíza em vidas paralelas.

Por meses seguidos, houve também ameaças de morte, muitas com a citação de versículos bíblicos. O advogado chegou a dizer que Ludmila teria uma morte dolorosa como a de Jezebel, do Livro dos Reis, que foi atirada de uma janela e teve o corpo devorado por cães. “As mensagens eram frequentes e às vezes longuíssimas, chegando a várias em um único dia, e sempre em tom apocalíptico”.

Em dezembro de 2020, Adriano descobriu o endereço residencial, os dados pessoais e número do celular da juíza. Por mensagem de WhatsApp, ele enviou uma foto da residência da juíza, obtida pelo Google.

A Operação DeLorean Stalker foi desencadeada pela Polícia Civil de Unaí (MG), onde reside e trabalha a juíza Ludmila Lins Grilo. Segundo a delegada Gabriela Mol, que comandou as investigações, ao ser preso o advogado Adriano Ike solicitou permissão para ficar com o livro O Inquérito do Fim do Mundo, do qual Ludmila é coautora.

— Paulo Briguet é cronista e editor-chefe do BSM.

Brasil sem medo

Ajude-me a manter o site no ar. Faça uma doação de qualquer valor.

COMPARTILHE A NOTÍCIA EM SUAS REDES SOCIAIS

Datena destrata polícia ao vivo, veja a grosseria

STF deu um “tiro no pé” de todo o judiciário